Jinga Luanda

Festival Internacional de Vídeoarte, Luanda, Angola Curado por Miguel Petchkovsky e Alexis Anastasiou
12 e 13 de setembro, das 20 às 24hs

A Fenacult 2014 apresenta pela primeira vez em Angola, um festival
internacional de vídeoarte, megaprojeções e vídeo mapping: o (v)JingaLuanda. Esse festival acontecerá no formato de uma intervenção
urbana, ocupando pela primeira vez o Centro Histórico de Luanda. A Rua
Rainha Ginga e seus prédios e casas serão as atrações principais, onde serão projetados trabalhos de artistas Angolanos, Brasileiros e de diferentes partes do mundo. Todas as atrações serão gratuitas e abertas ao público.
As projeções monumentais serão realizadas nos dias 12(sexta-feira) e
13(sábado) de Setembro , das 20hs às 24hs, na Rua Rainha Ginga, entre o
Largo do Baleizão e a Igreja Nossa Senhora dos Remédios, e visa transformar esse espaço público em uma galeria de arte ao ar livre e aberta a todos os cidadãos, incluindo famílias e suas crianças.

Serão projetados trabalhos dos seguintes artistas:
Alex Villar, Cezar Meneghetti, Danilo Packer, Esmeralda Kosmatopoulos Fernando Velasquez, Lea Van Steen, Nino Cais, Marcio Motta, Abel Domingos Mutanduki (DJ Kapa), Aladino Jasse, Bento da Cruz, Delson Fortunato, Edson Guerreiro, Fernando de Almeida ( Afro G), Francisco Pedro, Garcia Marcos Antonio (Filing), Gil Lucamba, Jaime Augusto Sebastião, José João Baptista (Sem Makas Baptista), Lauro Antonio Domingues, Manuel Francisco de Almeida Melo (Enoque), Marisol Kadiegi, Mel Gamboa, Ngola Nofre e Rosário Viana.

O (v)JingaLuanda contará também com uma intervenção aberta e voltada
para a participação do público, chamada de “Agigantador de Pessoas”, onde
as pessoas poderão fazer performances e participar directamente da obra,
que permite que as pessoas se vejam projectadas e “agigantadas” num
edifício de 30 metros.

O festival contará com uma intervenção de Video Mapping, técnica que
projeta conteúdos e imagens 3D com efeitos surpreendentes, transformando prédios em telas de alto impacto visual, valorizando a arquitectura da cidade. A intervenção será realizada de forma coletiva por 40 artistas de audiovisual de diferentes locais de Angola e do mundo, numa coreografia de luz, imagens e cores, dando mais vida à arquitetura da Rua Rainha Ginga, ícone do Centro histórico de Luanda, capital de Angola.

O projecto pretende, entre outros objectivos, ajudar na revitalização da área histórica da cidade de Luanda e sua valorização arquitectónica, ocupando as ruas, empenas, fachadas e prédios, por meio de diferentes técnicas
projectivas, e esta com consonância com o programa da Fenacult 2014, que
pretende promover a “Cultura como Factor de Paz e Desenvolvimento”.
O (v)JingaLuanda contou com o suporte e participação de profissionais do
IACAM – Instituto Angolano de Cinema, Audiovisual e Multimídia, que
participaram tanto na criação de vídeos inéditos como na edição dos vídeos
dos participantes Angolanos.

Para essa primeira edição, foram firmadas parcerias com curadores e festivais internacionais. São eles: Audhild Dhalstrom, diretora da Nabroad, da Noruega; Angie Bonino, diretora da Bienal Videoakt, de Barcelona, na Espanha; Lili Ningchun, diretora do N-Minutes Festival de Shangai, na China; Malcolm Levy, artista e curador do Revised Projects, de Vancouver, no Canadá; Mat Rappaport, professor da Universidade de Columbia, de Chicago e criador do projeto V1b3; Vika Ilyushkina, curadora do Cyland, de São Petersburgo, na Rússia, e Sheeka Arbutnot, curadora do projeto Movimiento Circular: Subvirtiendo La Circunscripción, de San Francisco, nos Estados Unidos.

Sobre os curadores

Miguel Petchkovsky Artista multimídia, Miguel é curador e “embaixador internacional” do (v)JingaLuanda. Nascido em Angola, participou de projetos em mais de 20 países. Além de fazer curadoria em países como Holanda, Estados Unidos, África do Sul, Moçambique, Angola, Nigéria, Camarões, Peru, México, Cuba e Brasil, é diretor executivo e curador da TIME_FRAME Foundation, baseada em Amsterdã, na Holanda. Participou como curador e palestrante em projetos para a Virada Cultural de São Paulo, Festival Vídeo Brasil, Festival Oi Futuro, Secretaria de Cultura de Porto Alegre, Atelier Livre e Instituto Itaú Cultural, Festival Vídeo Guerrilha Marylhurst University, PNCA, Lewis & Clark University, Portland Oregon USA.

Alexis Anastasiou Formado em relações internacionais, em 2003 fundou a Visualfarm, mesmo
ano em que produziu um remix audiovisual para o filme Cidade de Deus, pelo qual ganhou premio do Jornal Folha de São Paulo. Desde 2007 produziu dezenas de espetáculos públicos de vídeo mapping em prédios e locais históricos do Brasil. Em 2010 ganhou o prêmio de melhor VJ do Brasil. Em 2011 ganhou prêmio “Most innovative use of A/V technology an outdoor event”, da InfoComm, a mais prestigiada feira de tecnologia audiovisual do mundo, pela projeção mapeada no Cristo Redentor, o famoso “Abraço do Cristo”, tambem premiado nos festivais de publicidade de Cannes, Clio Awards e Festival de NY. Ainda em 2011 ganhou premio de “Melhor iniciativa em artes visuais”, concedido pela APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte — pelo FestivalVídeo Guerrilha.

Endereço das projeções

Rua Rainha Ginga, entre o largo do Baleizão
e a igreja Nossa Senhora dos Remédios
Centro Histórico de Luanda, Angola

Realização

Ministério da Cultura de Angola e Fenacult 2014.



More Posts

Prev  Alex Villar’s On the Edge and Breaking into Business at Kunsthall Trondheim

Next  Beyond Limits: Postglobal Mediations